quinta-feira, 21 de maio de 2009

... nada!

A T. e o S. passam a vida "engalfinhados" (esta palavra exste?) um no outro. Ora seja pela troca de mimos, ora por brincadeiras mais ou menos brutas, ora porque o S. acha que a T. luta bem (como já chegou a dizer-me!).
O que é certo, é que passados uns minutos uma de duas coisas acontece:
- (barulho de fundo da T. a chorar) O S. vem ter comigo a justificar-se que bateu/empurrou/beliscou a irmã porque ela fez-não-sei-o-quê
ou
- (barulho de fundo da T. a chorar) Vou ter com eles e pergunto com um ar de mãe-chateada: O que é que se passa aí?

E sabem o que é que a minha rica filhinha-que-não-parte-um-prato diz, com os cabelos despenteados, cara vermelha e olhos vermelhos de chorar?
-... nada! - falando em falsete e deixando de chorar no mesmo instante, assumindo uma expressão de não-sei-do-que-é-que-estás-a-falar. E não, não é para dar uma de boa samaritana, é para os deixar em paz, mesmo ;)

E eu cada vez me convenço mais de que não me devo meter e que... ora bem... faz parte!

1 comentário:

Rita Costa disse...

É esse o lema: não me meter e pensar que faz parte :)

Beijinhos